Rua Bento Gonçalves, Nº 2310
12° andar - Centro
Novo Hamburgo - RS
Tel/Fax (51) 3594.1011

E-mail:
Impenhorabilidade de Bem de Família é Direito Disponível

A 1ª Turma Cível do TJ-DFT negou provimento ao recurso de uma aposentada que pedia a nulidade de uma cláusula contratual firmada com a Interline Turismo, na qual renunciava à impenhorabilidade do único imóvel familiar. A decisão manteve a decisão do juiz da primeira instância, autorizando, portanto, a penhora do bem.
A  servidora pública aposentada Déa de Freitas Carvalho ajuizou ação de desconstituição de penhora pedindo a nulidade desta, uma vez que o imóvel questionado constitui bem de família, sendo o único que possui. Sustentou que o direito à moradia é garantido pela Constituição Federal, e que o imóvel está protegido pela Lei nº 8.009/90 (que dispõe sobre a impenhorabilidade do bem de família).
Na decisão interlocutória, o juiz verificou que a devedora, na qualidade de fiadora, renunciou expressamente ao direito de impenhorabilidade do imóvel em que reside com a família.
Assim, para o magistrado,
"a alegação de que a cláusula seria nula de pleno direito não se sustenta, até porque a devedora é pessoa com instrução suficiente para entender o que estava assinando, não podendo alegar em seu proveito a nulidade da cláusula para se esquivar do cumprimento de suas obrigações".
O magistrado prossegue afirmando que
"não há nos autos qualquer prova de que a devedora tenha sigo coagida ou forçada a assinar tal contrato, presumindo-se que o fez de livre e espontânea vontade".
Ao proferir seu voto, a relatora da 1ª Turma Cível do TJ-DFT, desembargadora Vera Andrighi registra que "a Lei nº 8.009/90 não constitui norma de ordem pública - natureza atribuída apenas ao direito social de moradia, assegurado pela Constituição". Refere mais que
"a legislação se trata, portanto, de direito disponível da parte, no qual é válido o exercício do direito de renúncia à impenhorabilidade, inexistindo óbice à penhora efetivada sobre o imóvel".
O acórdão afirma que “no momento da formação do negócio jurídico, a contratante, de acordo com seus interesses ou necessidades para efetivação do contrato, renunciou à impenhorabilidade, atribuindo ao outro contratante a garantia para a negociação". A decisão foi unânime.
Assim, a empresa Interline Turismo e Representações Ltda. poderá prosseguir até a alienação do imóvel residencial, se o valor da dívida não for pago. Atua em nome da credora o advogado Cesar Guimarães Faria. (Proc. nº 20080020038446AGI - com informações do DJ-DFT ).


OUTRAS NOTÍCIAS

Pedidos de recuperação judicial de empresas crescem mais de 40% neste ano. AMC Advogados conta com profissionais capacitados para encaminhar esta situação
Dr. Antonio Marcelo Caleffi reconhece trajetória de sucesso da revista Expansão RS
A.M. Caleffi Advogados participa de edição comemorativa da Revista Expansão
Escritório A.M. Caleffi Advogados investe no relacionamento com clientes
Turma do TST tem novo entendimento sobre a aplicação de multa civil
STJ Define Quando há Impossibilidade de que Pagamento de Honorários Seja Feito em Nome da Sociedade de Advogados
Não Há Incidência de I.R. Sobre o Lucro Imobiliário na Venda de Imóvel Recebido por Herança
TJ/MS Reconhece Impenhorabilidade de Bem de Família de Fiador de Locação
Isenção de Imposto de Renda Sobre Indenização Trabalhista
Supremo aprova a décima súmula vinculante
Publicadas as Duas Leis que Alteram Vários Dispositivos do Código de Processo Penal
Superior Tribunal de Justiça Abandona o Formalismo nas Petições Enviadas por Fax
Jogadores Obtêm na Justiça do Trabalho Indenização da Cláusula Penal
Empresa Condenada por Propaganda Enganosa
Para ser Válido, Edital Deve Ser Publicado no Jornal de Maior Circulação Local
Acórdão do TJRS Afasta a Compensação de Honorários Advocatícios
Correio Eletrônico Equipara-se ao Fac-Símile
Endereços Eletrônicos dos Cartórios do RS à Disposição dos Advogados
Competência da Justiça do Trabalho para Julgar Ação de Cobrança de Honorários de Advogado
Contrato de Seguro-Saúde:Condenação da Seguradora por Cláusulas Abusivas
Processo Eletrônico: O Superior Tribunal de Justiça Receberá Petição pela Internet
Dissolução de Sociedade: Transmissão Imediata das Ações do "de cujus" aos Herdeiros, Diante do Princípio da "Saisine"
Dano Moral em Razão de Overbooking
Conheça as 34 Alíneas Usadas pelos Bancos para a Devolução de Cheques
Fiadores só são Obrigados a Assumir Débitos no Limite dos Contratos que Assinaram
A Penhora On Line na Execução Extrajudicial
Veja as Súmulas da Corte Superior de Justiça
Entenda como Funciona a Nova Cobrança de Telefone Fixo por Minuto
ICMS não Pode Incidir Sobre Atividade-Meio de Telecomunicações
Copyright 2017 © A. M. Caleffi Advogados. Todos os direitos reservados.