Rua Bento Gonçalves, Nº 2310
12° andar - Centro
Novo Hamburgo - RS
Tel/Fax (51) 3594.1011

E-mail:
Jogadores Obtêm na Justiça do Trabalho Indenização da Cláusula Penal

Em decisões recentes, o Tribunal Superior do Trabalho tem solucionado em favor dos atletas profissionais a controvérsia na interpretação do artigo 28 da Lei nº 9.615/98 (Lei Pelé), que trata da cláusula penal para as hipóteses de descumprimento, rompimento ou rescisão unilateral do contrato de trabalho. O entendimento, nesses casos, é de que a indenização é devida pela parte que teve a iniciativa do rompimento do contrato, seja o clube, seja o atleta.
Em processo movido por Rafael Luis Geri,  ex-jogador do Sport Clube Ulbra, do Rio Grande do Sul, a 6ª Turma do TST garantiu ao atleta o direito à indenização. “Nada mais razoável, em face da reciprocidade de obrigações em contratos bilaterais”, ressaltou o relator, ministro Aloysio Corrêa da Veiga.
Ao esclarecer seu entendimento em relação à questão, o ministro afirmou que o instituto da cláusula penal está previsto no Capítulo V do Código Civil e tem como função assegurar às partes o implemento de uma determinada obrigação e a possível antecipação das perdas e danos em face do seu descumprimento. Para o relator, o artigo 28 da Lei Pelé é uma das medidas instituídas com o objetivo de equilibrar as relações atletas x clubes e que
“veio adequar as relações contratuais com patamares mais consentâneos com a condição humana do atleta”.
A indenização havia sido inicialmente concedida pela 2ª Vara do Trabalho de Canoas (RS) e julgada indevida pelo TRT da 4ª Região (RS). Com o recurso ao TST, o atleta obteve o restabelecimento da sentença, com a condenação do clube. O acórdão definiu que
"a cláusula penal tem como único obrigado o atleta que rompe, antecipadamente, o contrato de trabalho contrasta com o direito e retira o caráter bilateral do contrato, na medida em que pretende impor ao atleta encargo desproporcional ao exigido da entidade desportiva”.
A advogada gaúcha Mariju Ramos Maciel atuou em nome do atleta.
Entendimento semelhante adotou a 1ª Turma do TST, ao rejeitar recurso da União Bandeirante Futebol Clube, de Santa Catarina, contra condenação no mesmo sentido. Ao ajuizar a reclamação trabalhista, em abril de 2002, o atleta afirmou que, depois de diversos contratos de trabalho celebrados com o clube, foi demitido no terceiro mês do último contrato após o time ter sido derrotado pelo Ponta Grossa EC, em jogo do Campeonato Paranaense de Futebol, mesmo sem ele ter atuado na partida.
No recurso ao TST, o clube sustentou que a cláusula penal foi criada para a proteção das associações desportivas, e não era cabível quando o contrato era rescindido por iniciativa da entidade.
Neste caso, o relator, ministro Lelio Bentes Corrêa, observou que o artigo 28 da Lei Pelé “nada contém que autorize concluir pela sua inaplicabilidade ao ente de prática desportiva”. O ministro salientou que o passe, “um dos institutos mais controvertidos do Direito do Trabalho brasileiro”, consistia na importância devida por um clube a outro pela cessão do atleta durante a vigência do contrato e depois do seu término.
“Ainda que ele tivesse por objetivo impedir o aliciamento e a concorrência desleal entre os clubes, na prática ficava caracterizada a violação à liberdade de trabalhar e o impedimento do livre exercício da profissão pelo atleta, que ficava à mercê dos interesses dos clubes”. A imposição da cláusula penal apenas ao jogador importaria, de acordo o ministro Lélio Bentes, “a restituição de forma transversa” do instituto do passe. “Cabe a quem toma a iniciativa da rescisão responder pela multa rescisória”, concluiu.
Algumas Turmas do TST, porém, interpretam que a indenização prevista na cláusula penal é restrita às hipóteses em que o rompimento antecipado do contrato de trabalho dá-se por iniciativa do atleta. Em novembro do ano passado, a 7ª Turma, por maioria, manteve decisão que isentou o Palmeiras do pagamento de multa pela dispensa do jogador Rodrigo Fonseca. (RR nº 3/2005-202-04-00.3 e RR nº 581/2002-093-09-00.5).


OUTRAS NOTÍCIAS

Pedidos de recuperação judicial de empresas crescem mais de 40% neste ano. AMC Advogados conta com profissionais capacitados para encaminhar esta situação
Dr. Antonio Marcelo Caleffi reconhece trajetória de sucesso da revista Expansão RS
A.M. Caleffi Advogados participa de edição comemorativa da Revista Expansão
Escritório A.M. Caleffi Advogados investe no relacionamento com clientes
Turma do TST tem novo entendimento sobre a aplicação de multa civil
STJ Define Quando há Impossibilidade de que Pagamento de Honorários Seja Feito em Nome da Sociedade de Advogados
Não Há Incidência de I.R. Sobre o Lucro Imobiliário na Venda de Imóvel Recebido por Herança
TJ/MS Reconhece Impenhorabilidade de Bem de Família de Fiador de Locação
Impenhorabilidade de Bem de Família é Direito Disponível
Isenção de Imposto de Renda Sobre Indenização Trabalhista
Supremo aprova a décima súmula vinculante
Publicadas as Duas Leis que Alteram Vários Dispositivos do Código de Processo Penal
Superior Tribunal de Justiça Abandona o Formalismo nas Petições Enviadas por Fax
Empresa Condenada por Propaganda Enganosa
Para ser Válido, Edital Deve Ser Publicado no Jornal de Maior Circulação Local
Acórdão do TJRS Afasta a Compensação de Honorários Advocatícios
Correio Eletrônico Equipara-se ao Fac-Símile
Endereços Eletrônicos dos Cartórios do RS à Disposição dos Advogados
Competência da Justiça do Trabalho para Julgar Ação de Cobrança de Honorários de Advogado
Contrato de Seguro-Saúde:Condenação da Seguradora por Cláusulas Abusivas
Processo Eletrônico: O Superior Tribunal de Justiça Receberá Petição pela Internet
Dissolução de Sociedade: Transmissão Imediata das Ações do "de cujus" aos Herdeiros, Diante do Princípio da "Saisine"
Dano Moral em Razão de Overbooking
Conheça as 34 Alíneas Usadas pelos Bancos para a Devolução de Cheques
Fiadores só são Obrigados a Assumir Débitos no Limite dos Contratos que Assinaram
A Penhora On Line na Execução Extrajudicial
Veja as Súmulas da Corte Superior de Justiça
Entenda como Funciona a Nova Cobrança de Telefone Fixo por Minuto
ICMS não Pode Incidir Sobre Atividade-Meio de Telecomunicações
Copyright 2017 © A. M. Caleffi Advogados. Todos os direitos reservados.